Ebitda – Conheça esse importante indicador

ebitda

O Ebitda

Saber analisar os resultados divulgados por uma empresa é uma das qualidades mais importantes que um investidor pode ter. E um dos indicadores de maior relevância para a análise é o Ebitda.

A palavra Ebitda vem da abreviação na língua inglesa de “Earning Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization”. Mas, traduzindo e explicando, o Ebitda nada mais é do que o lucro da companhia sem contabilizar os juros, impostos, depreciação e amortização.

Isto faz com que o Ebitda possua sua abreviação do português. Também pode-se chama-lo de Lajida (Lucro Antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização).

Utilização do Ebitda

Saber o significado do Ebitda infelizmente não é o suficiente para a maioria dos investidores, em especial para aqueles que estão iniciando no mundo dos investimentos. O que torna-se importante, é saber ao certo como ele é calculado e, principalmente, como deve ser interpretado.

A tabela abaixo apresenta um demonstrativo (DRE) simplificado dos resultados do terceiro trimestre de 2020 da companhia Movida.

Sabemos que o Ebitda é o lucro sem considerar taxas, impostos, depreciação e amortização. Então, de acordo com o exemplo da tabela acima, para calcular o Ebitda basta subtrair da receita líquida os indicadores de “custo” e de “despesas administrativas”.

A partir deste exemplo prático, podemos concluir que o Ebitda reflete apenas os efeitos operacionais da companhia. Ou seja, ele exclui custos que não estão ligados diretamente ao core do negócio.

Portanto, a análise do Ebitda nos permite extrair informações do quão eficiente a empresa é operacionalmente, isto é, qual o seu poder de geração de caixa.

Outro indicador importante, derivado do Ebitda, é a Margem Ebitda. Ela é calculada como a simples razão entre o Ebitda e a Receita, sendo que esta última geralmente trata-se da Receita Líquida.

A margem Ebitda nos fornecerá basicamente o quanto da receita gerada pela companhia se transforma em “lucro”, ou melhor, em Ebitda. De forma grosseira, o acréscimo de margem Ebitda nos informa que o acréscimo de receita foi maior que o incremento de custos e despesas, sendo portanto outro indicador de eficiência operacional.

O gráfico abaixo nos fornece a evolução do Ebitda e de sua margem ao longo do tempo da empresa Movida.

A evolução do Ebitda e de sua margem no tempo pode nos dar a informação sobre os aspectos de gestão da empresa. Ou seja, o quanto as tomadas de decisões da equipe de gerência estão sendo assertivas para contribuir com o aumento destes indicadores. Mas aqui cabe o cuidado de se levar em consideração também as influências macro econômicas tanto do setor a qual a companhia esteja inserida, quanto da economia como um todo.

Cuidados ao se Analisar o Ebitda

O primeiro cuidado que merece destaque vale não somente ao Ebitda, mas também para todos os indicadores de forma geral. O investidor não se deve basear suas análises em apenas um indicador, ou um conjunto deles, para tomada de decisão sobre o investimento.

Quanto ao Ebitda especificamente, deve-se tomar o cuidado para que acontecimentos extraordinários não influenciem em seu resultado. Em toda empresa, podem ocorrer eventos ao longo de um período que contribuam positiva ou negativamente no valor do Ebitda, ou também de sua margem.

Para isto, muitas empresas disponibilizam o chamado Ebitda Ajustado, que nada mais é do que o Ebitda sem levar em consideração eventos que não são recorrentes no operacional da companhia.

Portanto, principalmente para aqueles investidores que não possuem (ou não desejam) experiência em análises de empresas, torna-se de extrema necessidade o aprendizado a respeito das interpretações, ou o acompanhamento de especialistas.

Quer receber as melhores recomendações de ações para montar sua carteira de longo prazo?

Conheça o Invista em Ações. O guia que vai te ajudar a construir e diversificar seu patrimônio. Receba análises e recomendações para a montagem da sua carteira de ações e conheça os ativos que podem trazer altos retornos em longo prazo. Acompanhe a nossa recomendação de diferentes Carteiras e invista com o suporte e acompanhamento da melhor equipe de analistas do mercado.

Acesse agora nossas recomendações de diferentes Carteiras 

Carteira Dividendos

Carteira Crescimento

Carteira Top Recomendadas

Carteira Small Mid Caps

Carteira Buy & Hold Raiz

Carteira de Ações Internacionais

Recomendações de Fundos de Ações

Atendimento Exclusivo Capitalizo

___

Analistas Responsáveis

Danillo Sinigaglia Xavier Fratta, CNPI-T EM-1795

Daniel Karpouzas Barcellos, CNPI EM-1855

___

Importante: leia nosso Disclosure antes de investir.

Quer ficar por dentro das novidades do mercado financeiro? Conheça o nosso Canal no Youtube e inscreva-se.

Confira 10 small caps baratas da bolsa para investir em 2021!

 

Dentro do seu planejamento para 2021, você já tem noção das empresas que pretende fazer aportes? Já reparou como tem algumas small caps baratas na bolsa de valores?

Para achar ações baratas, costuma-se utilizar como referência o P/L, que é o preço de mercado dividido pelo lucro por ação de 12 meses, ou seja, um indicador que reflete o número de anos para recuperar o investimento aplicado.

No entanto, um P/L baixo também pode se referir a um lucro não recorrente ou mesmo demonstrar que o mercado não espera muito da empresa.

Neste artigo, você descobrirá quais são as 10 companhias que fazem parte do índice de small caps da B3 e que contam com índices de P/L favoráveis. Confira!

 

1. Marfrig (MRFG3)

Embora a Marfrig esteja no índice de small caps, sabemos bem que essa é uma empresa gigantesca, considerada a 2ª maior produtora de proteína no mundo.

Com foco em carnes bovinas, suínas e ovinas, a Marfrig está presente em cerca de 100 países, sendo 75% das receitas oriundas das operações na América do Norte.

Se você ainda está procurando onde investir em 2021, essa ação pode vir a ser uma boa alternativa para sua carteira, uma vez que seu P/L é de 4,92.

A companhia apresenta uma rentabilidade acumulada de 56,17% nos últimos 12 meses, sendo 45,92% apenas em 2020, reflexo da alta demanda por proteína animal.

 

2. Minerva (BEEF3)

Outra empresa do setor de alimentos, a Minerva também é forte em matéria de exportações, tendo escritórios comerciais estratégicos em vários países.

Sua especialidade é a produção e comercialização da carne in natura, bem como a exportação de gado vivo e operações de logística e energia em suas subsidiárias.

Apesar da concorrência com outras grandes do setor, a Minerva também “surfa” no crescimento da demanda por proteína animal no mundo, especialmente na China.

Pelos gráficos de rentabilidade, a empresa obteve até agora -11,9% nos últimos 12 meses e -15,4% em 2020, de modo que o P/L é de 7,06 vezes.

 

3. Banrisul (BRSR6)

O Banco do Estado do Rio Grande do Sul tem suas atividades focadas na oferta de produtos como financiamentos, crédito, conta corrente, entre outros.

Tem um bom histórico de lucro constante e, apesar da presença em outras localidades, sua concentração é maior no estado gaúcho, até por conta de o controle ser estatal.

Mesmo com mais de 90 anos de história, apenas 60% das transações são efetuadas por meio digital, índice baixo em comparação com outras ações do setor bancário.

Inclusive, é um papel que sentiu bastante a crise, tendo uma rentabilidade acumulada de -33,14% nos últimos 12 meses e -35,36% em 2020, cujo P/L é de 6,22 vezes.

 

4. Wiz (WIZS3)

Entre os nossos analistas, ela não é uma “queridinha”, mas está performando como uma das small caps baratas da bolsa para 2021, afinal, seu P/L é de 6,15.

A Wiz é uma corretora de seguros e tem contrato com a Caixa até 2021, porém, essa dependência tem sido diluída por conta de outras parcerias, como a do Banco Inter.

É uma companhia com operações de baixo custo, boa margem de lucro, receitas crescentes e muita experiência no setor de seguros, sendo atrativa a longo prazo.

Todavia, suas ações mostraram um dos piores resultados nos últimos 12 meses, ou seja, uma rentabilidade acumulada de -38,35%, sendo -39,3% só em 2020.

 

5. Taesa (TAEE11)

A Taesa é considerada uma das preferidas da bolsa, muito por conta de ser uma boa pagadora de proventos e favorecer as estratégias de quem deseja viver de dividendos.

Dentro do setor elétrico, a Taesa encontra seu propósito de negócio na transmissão de energia elétrica, de modo que seus contratos são longos e ajustados pela inflação.

Com um P/L de 7,04 ela marca presença em 18 estados brasileiros, tendo 14 mil km de linhas de transmissão aproximadamente, além de obras de expansão.

Inclusive, a Taesa tem o segundo melhor resultado em termos de rentabilidade acumulada, sendo 20,25% nos últimos 12 meses e 19,05% somente em 2020.

 

6. Cyrela (CYRE3)

Ostentando o 3º lugar em rentabilidade acumulada nos últimos 12 meses, com o valor de 4,58%, a incorporadora Cyrela Realty demonstra recuperação diante da crise.

Dentro da construção civil, a marca atende o nicho residencial de médio e alto padrão, mas também supre outras necessidades por meio de parcerias estratégicas.

Possui empreendimentos de diversos tipos em várias regiões do Brasil e, além disso, foi a primeira empresa do setor a realizar o IPO na bolsa, isso no ano de 2005.

Embora a rentabilidade seja positiva nos últimos 12 meses, o resultado de -1,68% é o que configura no gráfico de 2020, lembrando que o P/L da ação é de 6,96 vezes.

 

7. Banco BMG (BMGB4)

O BMG é outro papel que não desperta tanta simpatia assim dos nossos analistas, mas tem forte crescimento em contas digitais, estrutura escalável e boa carteira de crédito.

Porém, vale ressaltar que o desempenho no gráfico de rentabilidade acumulada tem sido pífio, uma vez que apresenta -36,63% nos últimos 12 meses e -39,94% em 2020.

Com uma história que vem desde 1906, esse grande banco mineiro é uma instituição que tem diversificado bem suas operações e, assim como outros, focado no digital.

O P/L de 8,09 é o 2º maior da nossa lista de small caps baratas, mas ainda pode vir a ser uma boa alternativa para 2021, uma vez que o BMG tem melhorado sua eficiência.

 

8. Copasa (CSMG3)

Essa outra empresa mineira também desperta o olhar atento dos investidores, tendo em vista que possui um endividamento moderado e costuma pagar bons dividendos.

No final de 2019, a companhia obteve 641 concessões de abastecimento de água, algo que foi indispensável para atender a 11,6 milhões de pessoas.

Não à toa que a Copasa é considerada uma das maiores empresas de água e saneamento básico do Brasil, sendo que seu P/L de 7,63 é bem chamativo na análise.

É importante mencionar que a falta de chuvas pode afetar os serviços prestados, sendo que as rentabilidades acumuladas são de -10,88% em 12 meses e -12,78% em 2020.

 

9. Sanepar (SAPR11)

Como uma outra opção de empresa do segmento de água e saneamento, apresentamos também a Sanepar, que tem reduzido consideravelmente as dívidas nos últimos anos.

É uma empresa com foco no Paraná, prestando serviços de abastecimento em mais de 300 cidades do estado, denotando assim um certo “monopólio” na região em que atua.

A companhia tem mais de 36 mil km em coleta e tratamento de esgoto, bem como uma operação superior a 55 mil km de tratamento e distribuição de água.

Com um P/L de 7,41 entre seus índices fundamentalistas, essa small cap tem -10,79% de rentabilidade acumulada nos últimos 12 meses e -16,31% somente em 2020.

 

10. Enauta (ENAT3)

Ao contrário da PetroRio, cujas ações têm “voado” na bolsa nos últimos tempos, a companhia de energia Enauta é mais conservadora em sua performance de retorno.

Algo que reflete no gráfico de rentabilidade acumulada, tendo em vista que a empresa apresenta -24,35% de resultado em 2020 e -18,63% nos últimos 12 meses.

É uma empresa focada na exploração, refinamento e distribuição de petróleo e gás, sendo uma das maiores do segmento por conta de um portfólio descentralizado.

Todavia, além de considerar o P/L de 8,5 vezes, deve-se ponderar que é uma empresa exposta às flutuações do câmbio e influenciada pelo preço dos barris de petróleo.

 

Em resumo, entenda que mais do que olhar as small caps baratas da bolsa de valores, torna-se essencial observar o histórico de rentabilidade delas e analisar o poderio setorial, a fim de investir com inteligência.

Você quer receber alertas sobre quando e quais ações podem ser uma boa no longo prazo, além de fatos relevantes, avisos de proventos e análises fundamentalistas? Pois bem, então está mais do que na hora de aproveitar o nosso produto Invista em Ações. Ele é dividido em seis carteiras recomendadas, cada uma visando um objetivo específico: Dividendos, Crescimento, Top Recomendadas, Small Caps, Buy & Hold Raíz e Ações Internacionais. 

Se o seu foco é também o curto e médio prazo, temos o produto Full Trader. Além do acesso às carteiras para longo prazo, você terá acesso as análises e recomendações de ativos para operações de Day Trade, Swing Trade, e Position Trade em Ações, além de Índice Futuro e Dólar, Opções, Long&Short, Termo e Aluguel de Ações, Boi Gordo e Milho Futuro.

Na sala do Pregão ao Vivo, você acompanha o mercado e as recomendações de operações dos nossos analistas em tempo real.

Você também terá acesso ao Rastreador de Tendências, estratégia exclusiva da Capitalizo, que une as análises fundamentalista e técnica para identificar oportunidades na bolsa de valores.

Receba nossos relatórios Grátis