Não deu certo? Parta para outra!

Se não deu certo, parta para outra

Um dos principais erros dos investidores de longo prazo, é se agarrar em posições perdedoras. Posição perdedora não significa, necessariamente, uma ação que esteja caindo, mas sim um ativo de uma empresa que não tem mais boas perspectivas para o longo prazo.

Em muito casos, entendemos que seja um pouco complexo, o investidor identificar essas ações/empresas, pois isso pode exigir um conhecimento profundo das companhias e seus mercados de atuação. Porém, na maioria das vezes, existem mais chances do negócio não prosperar, do que continuar crescendo, como por exemplo, o caso da Cielo (CIEL3). Sabendo isso, por que a maior parte dos investidores não ”estanca a sangria”?

O grande problema é que a maior parte dos investidores não gosta de reconhecer que errou. Além disso, mesmo reconhecendo o erro, o investidor tende a ”travar” e acaba não se livrando das empresas ruins. Por isso, é importante deixar o ”coração” de lado e sempre agir da maneira mais racional possível.

Assim como o maior investidor do mundo, Warren Buffett, se você errou em comprar alguma ação que não deveria, venda e parta para outra. Inclusive, recentemente, Buffett vendeu uma posição em companhias aéreas com prejuízo e reconheceu o seu erro.

Na Carteira Tiago Prux, por exemplo, já tivemos algumas empresas que foram retiradas justamente por perderem seus fundamentos. Essas retiradas ajudaram bastante no excelente retorno que a Carteira apresenta até hoje.

O investidor que se dá ao luxo de não tirar as maças podres da carteira, pode em pouco tempo ter uma cesta cheia de maças podres. Se não deu certo, parta para outra. O meu bolso agradece.

Um abraço e ótimos investimentos

Tiago

Desempenho Histórico da Carteira Tiago Prux

Desde 2017, a Carteira Tiago Prux entrega resultados bem acima dos principais índices de mercado. Confira abaixo, o desempenho ano a ano (desde 2019) e o retorno médio (ao ano):

Confira também o desempenho completo, desde Julho de 2017:

E você, quer receber as melhores recomendações de ações para o longo prazo?

A Carteira Tiago Prux, por exemplo, tem o objetivo de seguir uma Estratégia Buy & Hold, através de investimentos basicamente em Ações (internacionais e brasileiras), utilizando os conceitos de investidores reconhecidos como Warren Buffett e Peter Lynch.

Atualmente, 90% da Carteira é composta por ações de empresas internacionais ou empresas brasileiras que também tem receita no exterior. Dessa forma, é uma Carteira de Ações verdadeiramente global. Além disso, a Carteira utiliza duas Estratégias que têm trazido ganhos ‘’extras”, menor volatilidade e mais rentabilidade ao portfólio:

Proteção de Carteira: caso seja necessário, teremos recomendações de venda de ações ou utilizaremos opções para a Proteção de Carteira.

Venda (short) de Ações: podemos utilizar a venda de ações para termos mais recursos para financiar a comprar de outros ativos com maior potencial.

Importante: Como essa é uma Carteira de baixíssimo giro e de longo prazo, com apenas 10 minutos por mês, você consegue tranquilamente fazer o acompanhamento da Carteira Tiago Prux.

Quer ir em busca de uma rentabilidade como essa?

Seja um investidor global e tenha acesso a uma das melhores Carteiras de Ações de Longo Prazo do mercado. Não perca mais tempo e assine agora o Carteiras Capitalizo.

Sendo cliente Capitalizo, você também tem acesso à:

✅ Canais de atendimento exclusivos para dúvidas via WhatsApp e Telegram
✅ Análise gratuita dos seus investimentos
✅ Mentorias exclusivas para clientes direto com nossos especialistas

Produtos da Carteira Capitalizo

___

Importante: leia nosso Disclosure antes de investir.

Quando vender uma Ação? O caso do IRBR3 e a queda de 90%

venda de ações

O que todo investidor de longo prazo mais deseja é manter suas ações em carteira durante vários anos. Porém, você já parou para pensar que, mesmo esse tipo de investidor pode, em algum momento, ter que vender suas ações?

Isso mesmo, ter que vender alguma ação também faz parte da vida do investidor de longo prazo. Não queremos dizer que é necessário ficar “girando a sua carteira”, pelo contrário. Mas em, alguns momentos, vender alguma ação será até importante para a proteção da sua carteira.

Em que situações a venda é necessária?

A característica mais importante do investidor de longo prazo é, além de escolher boas empresas, fazer o acompanhamento das mesmas e saber que, caso elas percam sua atratividade, talvez não faça mais sentido tê-las em carteira. 

E não se engane, em algum momento isso vai acontecer. Mesmo os melhores investidores vão errar ou não escolher ativos não tão atrativos. A diferença entre um investidor profissional e um amador não é não errar, mas sim corrigir o erro. 

Num primeiro momento, identificar a hora certa de vender suas ações pode parecer de difícil compreensão para quem apenas investe e não acompanha o mercado. Mas para os profissionais que acompanham o dia a dia do mercado, essa se torna uma tarefa um pouco mais fácil.

A seguir destacamos 3 motivos que podem deixar as ações menos atrativas e alguns exemplos de recomendações de venda que demos e o quanto conseguimos proteger os nossos clientes.

Perda de fundamentos

Você compraria ações de uma empresa que fabricasse máquinas de fax ou de escrever? Acreditamos que não. 

Muitas vezes, os negócios das empresas perdem seus fundamentos, seja em função de mudanças políticas, econômicas ou mesmo de mercado. Nesses casos, qual o sentido de ter uma ação de uma empresa que perdeu seus fundamentos?

Perda de previsibilidade

É fato que não conseguimos adivinhar o que vai acontecer com um setor em específico e muito menos com o mercado em geral. Mas, quando acompanhamos as empresas que fazem parte da nossa carteira, é possível ter uma certa previsibilidade dos resultados que elas vão entregar.

Alguns fatores podem contribuir, como um setor previsível, excelentes planos de negócio da empresa ou até um rápido crescimento do mercado que ela está inserida.

Por isso, a partir do momento em que essa previsibilidade deixa de existir, é importante manter o alerta ligado, pois empresas menores podem perder os fundamentos rapidamente. Nesses casos, a venda é quase que uma obrigação.

Mudanças estruturais no setor

O mercado está sempre mudando, isso é um fato.

Os setores estão sempre dando sinais de melhora e de mudanças, mas quando um setor tem mudanças estruturais muito fortes e as empresas não estão preparadas para isso, é fácil perder a previsibilidade de resultados.

Por isso, é importante sempre ficar de olho em suas posições para ver se alguma empresa teve mudanças no setor e não está dando sinais de que vai acompanhar essas mudanças.

Alguns exemplos de venda

Para facilitar o entendimento, vamos comentar sobre a recomendação de venda em IRB (IRBR3), usando os conceitos acima.

Vale frisar que, olhando hoje, parecem casos óbvios de venda, porém, a maior parte dos investidores que estavam no mercado nessas épocas, não venderam suas ações, por não entenderem as mudanças nos cenários. 

IRBR3 | IRB Brasil: ”A mentira tem pernas curtas”

Com certeza, o caso do IRB foi um dos mais emblemáticos casos que acompanhamos durante esses anos de mercado. Considerando que a empresa era um bom e lucrativo negócio, talvez tenha sido um dos casos bizarros da história da Bolsa de Valores.

Estávamos posicionados em IRB desde a época do seu IPO. Na verdade, IRBR3 foi um dos poucos IPOs no qual recomendamos entrada. Na época, o preço ajustado de reserva foi a R$ 7,27 e as ações estrearam no dia 31 de julho de 2017, com uma alta de 7,5% e o quarto maior volume da B3. A oferta movimentou em torno de R$ 2 bilhões, mas a demanda foi quase o dobro. A procura foi muito grande em função do potencial de crescimento da empresa e sua posição de liderança – com mais de 50% do mercado de resseguros aqui no Brasil. 

Essa posição de liderança era uma das heranças da época que o IRB era uma estatal e, por mais de 70 deteve o monopólio do mercado de seguros, que foi quebrado somente em 2007.  Além disso, a empresa também atuava forte fora do Brasil, o que deixava o negócio ainda mais interessante.

Já sabíamos que resseguradoras não tinham margens tão elevadas quando comparávamos a algumas seguradoras, por exemplo. Porém, como a empresa era muita enxuta (tinha menos de 400 funcionários) e entendíamos que iriam realizar a venda de alguns ativos, como posições em shopping centers, por alguns anos, a empresa teria bons lucros, impulsionados por itens não recorrentes. Ou seja, ainda receberíamos bons dividendos.

Tínhamos um negócio simples de entender e uma empresa bastante solícita aos nossos contatos, o que facilitaria o nosso acompanhamento futuro.

Os nossos problemas com IRB começaram no final de 2019, quando a nossa comunicação com a empresa começou a ficar bastante prejudicada – a companhia, que sempre foi muito solícita em nos atender, raramente respondia aos nossos contatos. Questionamentos sobre alguns contratos no exterior e a rentabilidade dos mesmo, também não foram atendidos. 

Em fevereiro de 2020, após o episódio da Carta da Gestora Squadra, a comunicação simplesmente acabou. Para quem não se lembra desse episódio, a gestora redigiu um documento questionando o IRB em diversos pontos. Muitos desses pontos não foram surpresa para nós (como a questão do lucro ser turbinado pela venda de ativos), mas a forma com que a empresa tratou o caso, aumentou ainda mais a nossa desconfiança. Parecia que 

A gota d’água foi o fático dia 4 de março de 2020, em que os gestores da empresa mentiram sobre a suposta posição que Warren Buffett (através da Berkshire Hathaway) teria no IRB. Apesar de não termos nada diretamente ligado aos resultados da empresa, era clara a perda de previsibilidade, pois os gestores do IRB estavam simplesmente mentindo.

Você seria sócio de uma empresa em que o CEO mentisse? Pois é, nós também não. Além disso, se eles estavam mentindo sobre isso, possivelmente poderiam ter mentido sobre várias outras coisas. Inclusive, nesse dia 4 de março, fizemos mais uma recomendação de venda das ações, alertando que qualquer previsão, projeção ou números apresentados pela empresa, infelizmente, estariam comprometidos e que não eram confiáveis. 

Posteriormente, a empresa teve que republicar seus balanços e fazer uma série de mudanças, incluindo toda sua administração. No caso do IRB, a falta de previsibilidade acabou virando falta de fundamentos. 

A nossa recomendação de venda das ações IRBR3 foi em R$ 34,43. Considerando a posição desde o IPO, nosso ganho total foi de 373%.

Considerando o preço atual (R$ 2,40), protegemos nossos clientes de uma queda de mais de 93%. 

Como saber quais ações devo compra e vender no longo prazo?

Atualmente, temos 5 carteiras de ações com foco no Longo Prazo, utilizando a estratégia fundamentalista Buy & Hold: Carteira Dividendos +, Micro e Small Caps, Top Crescimento, Internacional (criada em 2020) e Tiago Prux. Em todas elas, o nosso investidor é avisado de qualquer passo que precisa ser feito e os momentos de compra e de venda de das ações. Abaixo trago o desempenho das três mais procuradas pelos nossos clientes, a Tiago Prux, Dividendos+ e Micro e Small Caps:

Importante: todas as Carteiras são de baixo giro, ou seja, com apenas 10 minutos por mês você conseguirá acompanhá-las e mantê-las atualizadas. Dessa forma, também são ideiais para investidores que compram ações periodicamente.

Se você busca encontrar boas oportunidades em Ações para o longo prazo, então você precisa conhecer e assinar o nosso produto Carteiras Capitalizo!

Sendo cliente Capitalizo, você também tem acesso à:

✅ Canais de atendimento exclusivos para dúvidas via WhatsApp e Telegram
✅ Análise gratuita dos seus investimentos
✅ Mentorias exclusivas para clientes direto com nossos especialistas

Clique no botão abaixo para saber mais ou assinar agora mesmo o Carteiras Capitalizo!

 

___

Importante: leia nosso Disclosure antes de investir.

Quer ficar por dentro das novidades do mercado financeiro? Conheça o nosso Canal no YouTube e inscreva-se.