As melhores Carteiras de Investimentos do Brasil | Confira aqui

carteiradeinvestimentos scaled 1 e1635441067605

Diariamente, trazemos dicas de como montar uma boa Carteira de Investimentos, e mostramos na prática como funcionam as recomendações presentes na nossa assinatura Carteiras Capitalizo.

Hoje, vamos falar um pouco sobre as nossas Carteiras de Longo Prazo, e como elas vêm se comportando desde que iniciaram.

QUANTIDADE E QUALIDADE ANDANDO JUNTAS

Sem contar as estratégias de curto e médio prazos do Full Trader, temos 12 Carteiras de Longo Prazo dos mais diferentes perfis e tipos de investimentos:

Renda Fixa, FIIs e Reits, Ações, Fundos, Criptoativos e as Diversificadas.

Dessa forma, independentemente do seu perfil, você terá acesso a uma carteira montada com base nos seus objetivos. 

A maior parte delas iniciou em 2017. Porém, mesmo considerando as mais novas, TODAS elas batem seus respectivos benchmarks ou índices de referência…

Sejam eles o CDI, Ibovespa, S&P 500, Dow Jones, IDIV ou SMLL.

Isso não quer dizer que não erramos ou que não passamos por alguns períodos no ”negativo”, especialmente nas Carteiras de Ações.

Contudo, uma Carteira bem montada como as nossas tem mais chances de passar pelas adversidades, e entregar retornos bem acima da média ao longo do tempo.

E é isso que fazemos e entregamos por aqui. 

Vale lembrar que as nossas Carteiras de Longo Prazo são todas de baixo giro.

Isso permite que você tenha que disponibilizar apenas 10 minutos por mês para saber de tudo que está acontecendo e manter seu portfólio sempre atualizado. 

Ressaltando que o processo que antecede uma recomendação é bastante complexo e exige muita pesquisa, conhecimento e tempo de mercado.

Porém, existe um fator que tem sido fundamental para o nosso bom desempenho e que está presente em todas as nossas Carteiras: o equilíbrio.

EQUILÍBRIO

Uma carteira bem equilibrada é peça-chave, não só para a proteção do nosso patrimônio, mas também para que possamos ter ganhos consistentes ao longo do tempo. 

Nas nossas carteiras, não existe “a bola da vez” ou o “melhor investimento”.

O mais importante é entender que cada ativo da carteira tem o seu papel, a sua importância.

Em tempos de dólar em alta, por exemplo, ações de exportadoras costumam andar bem ou cair menos do que a maioria.

Já em tempos de juros mais baixos, as ações de varejistas podem adicionar muito retorno para o portfólio. 

Não abrimos mão da diversificação, em nenhuma das nossas carteiras.

Sabemos que esse assunto parece ”batido”, mas a maior parte dos investidores não diversifica o suficiente, e nem da forma correta. 

NOSSAS ESTRATÉGIAS, CARTEIRAS E RESULTADOS

Abaixo, segue o nosso Relatório de Performance, que é atualizado diariamente. Nele, você tem acesso a todos os resultados das nossas Carteiras focadas no Longo Prazo.

Além disso, clicando no nome da Carteira, é possível ter ainda mais detalhes sobre as rentabilidades e explicações sobre os funcionamentos de cada uma delas:

 

As melhores Carteiras de Ações de Longo Prazo da B3 | Confira

pexels liza summer 6347711

AO LADO DOS MELHORES

Recentemente, o experiente analista de Fundos Samuel Ponsoni, publicou em seu Instagram um Ranking dos melhores Fundos de Ações em diferentes prazos:

Para fins de comparação, vamos utilizar o Retorno de 60 meses, que melhor condiz com as Estratégias de Fundos e Carteiras de Ações de Longo Prazo. Nesse sentido, o período estudado foi de Julho de 2018 até Julho de 2023.

O nosso intuito não é avaliar (nem falar mal) de nenhum Fundo ou Gestora – inclusive gostamos, acompanhamos ou recomendamos algumas presentes nesse Ranking. 

O objetivo aqui é mostrar que as nossas Recomendadas podem entregar retornos tão bons quanto os melhores Fundos, das melhores Gestoras do mercado, que foi exatamente o que ocorreu. 

Dentre as nossas três principais Carteiras de Longo Prazo de Ações, o resultado foi seguinte: 

📌 CARTEIRA TIAGO PRUX: +397,75%

📊 CARTEIRA MICRO E SMALL CAPS: +309,41%

💰 CARTEIRA DIVIDENDOS+: +279,62%

RESULTADOS CONSISTENTES

Avaliando os resultados, percebe-se que as nossas Carteiras são muito rentáveis. Se fosse um Fundo de Ações, a Carteira Tiago Prux seria o primeiro colocado no Ranking.

Já a Carteira Micro e Small Caps da Capitalizo, assumiria a quarta colocação.

Até mesmo a nossa Carteira Dividendos+, de perfil bem mais conservador, estaria bem posicionada, alcançando a sexta colocação.

VOCÊ NO CONTROLE 

O interessante das nossas Carteiras é que qualquer investidor pode segui-las e, ao contrário dos Fundos de Ações, com total acesso a composição do portfólio e recebendo dividendos diretamente na em sua conta. 

Por isso, hoje vamos falar um pouco sobre como você pode aproveitar as nossas Carteiras de Ações de Longo Prazo, e por que conseguimos entregar os melhores resultados do mercado, mesmo com toda a volatilidade da bolsa.

Lembramos que essas Carteiras são montadas através da Análise Fundamentalista e são todas de baixo giro.

Dessa forma, com apenas 10 minutos por mês você consegue acompanhar qualquer uma das nossas Carteiras de Longo Prazo e mantê-las sempre atualizadas. 

Ou seja, isso significa você (investidor) no controle.

EQUILÍBRIO É TUDO 

Como costumamos dizer… o nosso foco, além de atender bem, é o resultado do nosso cliente. Sabemos que é impossível prometer ganhos, mas trabalhamos com afinco para entregar resultados diferenciados.

Porém, como conseguir entregar resultados bem acima da média sem que isso signifique mais risco?

Na nossa concepção, o segredo é ter equilíbrio. Uma carteira equilibrada é a peça-chave, não só para a proteção do nosso patrimônio, mas também para que consigamos ter ganhos consistentes ao longo do tempo.

Não é à toa que, desde 2017, todas as nossas carteiras e estratégias têm ganhos bem acima da média.

Ou seja, mesmo com as turbulências do mercado, evitamos as grandes perdas por meio de Estratégias bem balanceadas. A consequência disso foram os bons ganhos. 

DIVERSIFICAR PARA SE PROTEGER

Imagine, por exemplo, uma carteira de ações com empresas brasileiras, estrangeiras, exportadoras e uma parte com empresas do exterior, mas que não sofrem com a influência do dólar.

Somente um cenário de fortes baixas simultâneas no dólar, nas ações no Brasil e no exterior, poderia fazer com que esse portfólio tivesse uma grande desvalorização.

Em alguns momento, isso acontece?

Sim, mas, na maior parte do tempo, essa diversificação já nos livraria de quedas específicas de um mercado. 

Na teoria, manter as coisas equilibradas parece uma tarefa fácil, mas, na prática, é totalmente diferente. A maioria dos investidores continua concentrando seus investimentos e achando que o que mais importa é comprar a ação ”bola da vez”.

Infelizmente, esses investidores não sabem que o segredo é ter uma boa Estratégia e uma carteira bem estruturada. A consequência disso será ganhar dinheiro e, claro, acabar ”surfando” a alta de alguma ação que já estiver na carteira. 

E sobre isso, tenho duas notícias:

❌ A notícia ruim é que muitas pessoas vão continuar perdendo muito dinheiro por não pensarem em atuar no mercado de forma profissional, sem um bom plano. 

A notícia boa é que nem tudo está perdido e que nunca é tarde para um bom ajuste na sua Estratégia e na sua carteira de ações. Dia a dia, temos ajudado um grupo cada vez maior de pessoas que, verdadeiramente, querem buscar o equilíbrio em seus investimentos e ganhar dinheiro no longo prazo. 

Equilibro é fundamental, na vida pessoal, profissional e nos seus investimentos. 

ESTRATÉGIAS, CARTEIRAS DE AÇÕES E RESULTADOS

Atualmente, temos 5 carteiras de ações com foco no Longo Prazo, utilizando a estratégia fundamentalista Buy & Hold: Carteira Tiago Prux, Dividendos +, Micro e Small Caps, Top Crescimento e Internacional (criada em 2020). 

Apesar das carteiras terem algumas características diferentes, um ponto semelhante entre todas é o “pensar globalmente”. Essa é uma das formas mais importantes de trazer equilíbrio para a sua carteira de ações. 

Por isso, em todas essas carteiras recomendadas há alocação em ativos internacionais ou em empresas brasileiras que tenham atuação global.

A Capitalizo é a Casa de Análise precursora nesse conceito do Investidor Global.

Isso tem ajudado não somente a baixar a volatilidade das Carteiras, mas também a trazer mais retorno ao longo do tempo. 

Abaixo, mostramos o desempenho de três das nossas Carteiras de Longo Prazo mais procuradas: Carteiras Micro e Small Caps, Dividendos + e Tiago Prux, de julho de 2017 até hoje.

Como é possível perceber, todas as nossas carteiras também batem (de longe) o Ibovespa e outros benchmarks. Isso mostra como uma carteira bem equilibrada é fundamental para você ter um retorno acima da média do mercado, mesmo em momentos turbulentos do mercado.

Compare e comprove! Os melhores retornos são da Capitalizo.

 

Saiba como viver de renda com Fundos Imobiliários

e possivel viver da renda de fundos de investimento imobiliario 20180130124610.jpg

O QUE É UM FUNDO IMOBILIÁRIO?

Um fundo imobiliário é uma modalidade de investimento em que o investidor compra cotas de ativos relacionados ao mercado imobiliário.

Um FII pode ser, na linguagem utilizada pelo mercado, de “papel” ou de “tijolo”.

Isso quer dizer que, em um FII de papel, o gestor irá adquirir, com o dinheiro das cotas, papéis como CRIs (Certificado de Recebíveis Imobiliários) e LCIs (Letras de Crédito Imobiliário).

Já no FII de tijolo, o gestor irá comprar imóveis reais, tanto urbanos como rurais, já construídos ou em construção. Tudo vai depender da estratégia de investimento daquele FII.

POR QUE INVESTIR EM UM FUNDO IMOBILIÁRIO?

O investimento em Fundos Imobiliários é uma das formas mais inteligentes de investir em imóveis.

Além dos rendimentos mensais serem isentos de Imposto de Renda, é possível investir nos principais empreendimentos (logísticos, corporativos, shoppings, entre outros) e títulos de renda fixa, atrelados ao mercado imobiliário, do Brasil e do mundo (esse, através do REITs americanos).

COMO O INVESTIDOR É REMUNERADO?

Aqui está a grande vantagem dos FIIs. Uma vez adquiridas cotas de um FII, é como se você possuísse um pedaço de um shopping, de um hospital, ou de um galpão industrial, por exemplo.

Da mesma forma como acontece diretamente no mercado imobiliário, os imóveis do seu FII terão que pagar um aluguel para a gestora. Isso porque estão ocupando o imóvel que pertence ao Fundo.

Dessa forma, o FII remunera o investidor repassando a ele uma parcela desse aluguel sob a forma de rendimento mensal (dividendos). O mais interessante é que esse rendimento não é tributado pelo Imposto de Renda.

Só há cobrança de IR quando o investidor vende suas cotas com lucro. Nesse caso, a alíquota é de 20%.

Além disso, o investidor possui um pedaço de um imóvel, mas não tem que se preocupar com a administração, cobranças, nem burocracias.

Isso fica a cargo da gestora do Fundo, que para isso recebe uma taxa de gestão, e da administradora, que recebe uma taxa de administração.

Em linhas gerais, a gestora cuida do negócio em si, negociando contratos, arranjando inquilinos e adquirindo novos imóveis, e a administradora cuida da parte contábil e de supervisão da gestão.

Existem, portanto, diversas vantagens de investir em um FII, como isenção de imposto de renda, alta liquidez da maioria dos ativos e diversificação da carteira de investimentos.

Ocorre que os FIIs são ativos de renda variável e, portanto, suas cotas sofrem variação de preço de acordo com alguns comportamentos do mercado.

SIMULADOR DE RENDA COM FUNDO IMOBILIÁRIO

A ideia do simulador é mostrar, na prática, como se comportou uma aplicação feita em um dos Fundos Imobiliários que está entre as nossas recomendações.

Esse FII atua na atividade de locação de galpões logísticos é composto por 20 imóveis e uma base bem diversificada de locatários.

Ou seja, esse Fundo é um dos melhores do mercado e sempre fez parte da nossa Carteira Recomendada.

Vale lembrar que esse FII está na B3 desde o início de 2011 e que ele pagou dividendos todos os meses durante esse período – o que “facilita a vida” de quem quer viver de renda.

Apenas para fins de simulação, pois não existe valor mínimo para investir em FIIs, vamos considerar que tenhamos feito uma aplicação de R$ 50.000 nesse Fundo, em 2011.

No gráfico abaixo, mostramos a evolução, desde 2011, do quanto ele pagou somente em dividendos, durante o período:

Perceba que, em 2011, o retorno foi de R$ 3.950 ou 7,9% em relação à aplicação de R$50.000. Conforme o Fundo foi crescendo e aumentando seus rendimentos, os dividendos também cresceram.

Considerando 2022, o retorno foi de R$7.978 ou 15,95% em relação à aplicação inicial de R$50.000.

Isso mesmo que você leu: somente no ano passado, o retorno foi de quase 16% apenas em dividendos – uma taxa superior a +1,3% ao mês.

Se considerarmos os recebimentos de dividendos desde 2011, o retorno total teria sido de R$68.000 ou +136% em relação ao aporte inicial.

RETORNO TOTAL 

Não podemos esquecer que, além dos dividendos, podemos ganhar dinheiro com a valorização das cotas.

No caso do Fundo Imobiliário da nossa simulação, considerando o retorno de dividendos somado ao que as cotas se valorizaram na B3, o resultado final é de um ganho total de +455%.

No mesmo período, o CDI rendeu +175%, e a Poupança, +87%. Já a Inflação (IPCA) foi de +98,8%.

Para se ter ideia do quão fantástico é esse retorno de +455%, o metro quadrado no bairro carioca do Leblon, o mais caro do Brasil, era de R$15.900 em 2011 e subiu para R$21.900 no final de 2022 – uma valorização de apenas +37,74% no período.

POR QUE INVESTIR EM FUNDOS IMOBILIÁRIOS E REITS?

O investimento em Fundos Imobiliários e REITs são duas das formas mais inteligentes de investir em imóveis.

Além dos rendimentos mensais serem isentos de Imposto de Renda, é possível investir nos principais empreendimentos (logísticos, corporativos, shoppings, entre outros) e títulos de renda fixa, atrelados ao mercado imobiliário, do Brasil e do mundo, através do REITs americanos.

DESEMPENHO DA CARTEIRA DE FIIS E REITS DA CAPITALIZO

Abaixo, segue o desempenho Carteira Capitalizo de FIIs e REITs desde Outubro de 2017 até hoje. Perceba que, nesse período, o nosso retorno é muito superior ao apresentado pelo IFIX:

Como formar uma boa reserva de emergência

Aprenda a aplicar o seu dinheiro e formar uma reserva de emergencia

Um dos grandes pilares da educação financeira é saber poupar dinheiro, sendo que manter uma reserva de emergência é fundamental nesse processo.

Ter o hábito de guardar parte do seu salário é algo que pode modificar totalmente a forma como lida com o dinheiro.

Permite montar um planejamento melhor, conquistar objetivos e se prevenir de problemas repentinos.

A seguir, veja o que deve levar em consideração ao estruturar sua reserva de emergência, bem como os ativos ideais para isso. Acompanhe a leitura e confira!

EM QUAIS CIRCUNSTÂNCIAS VALE TER UMA RESERVA DE EMERGÊNCIA?

Em uma analogia simples, a reserva de emergência pode ser entendida como uma espécie de seguro de carro.

Ou seja, você paga esperando não precisar usar tão cedo.

Investir de forma coerente é se precaver quanto aos imprevistos, de modo que tenha recursos para suprir situações que poderiam ser desesperadoras em outros contextos.

O fator desemprego, por exemplo, é uma das circunstâncias que carecem da reserva de emergência, tendo em vista a dificuldade de se recolocar no mercado de trabalho.

Passar por episódios de doença na família também é algo que devemos nos preocupar, até mesmo se for necessária a compra de medicamentos de forma periódica.

Além disso, esse colchão de liquidez pode servir para cobrir despesas com mantimentos, dívidas inesperadas, reformas e manutenções, entre outros aspectos.

QUAIS SÃO OS FATORES QUE DEVEM SER LEVADOS EM CONSIDERAÇÃO?

Todavia, para que consiga escolher ativos que correspondam a sua necessidade de compor uma reserva de emergência, existem fatores que você deve ficar de olho.

Para que filtre melhor as suas opções, trouxemos abaixo algumas das informações mais relevantes na hora de poupar dinheiro para uma reserva e se preservar dos problemas.

📌 LIQUIDEZ

O primeiro ponto é a liquidez dos investimentos.

Ou seja, em quanto tempo é possível transformar esse ativo em dinheiro, a fim de ter recursos disponíveis de forma rápida.

Tendo isso em vista, o ideal é focar em ativos de alta liquidez, especialmente aqueles com liquidação diária, pois podem ser resgatados a qualquer momento que precisar.

Com isso, você pode se programar melhor e retirar o valor investido sem ter que esperar muitos dias, o que pode fazer a diferença conforme a emergência em si.

Existem ativos que dispõe de prazos até 90 ou 180 dias também, que embora a liquidez não seja imediata, confere um prazo relativamente compreensível.

📌 RISCO DE CRÉDITO

Você deve levar em conta a questão do risco de crédito, que diz respeito à capacidade da instituição emissora honrar a dívida ou não com seus investidores.

Por mais que títulos de renda fixa como CDB, RDB, LCI e LCA tenham a cobertura do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), confira quem emitiu o ativo antes de investir.

Isto é, dê preferência aos bancos de renome no mercado, pois isso minimiza a possibilidade de a instituição ter problemas para honrar a dívida negociada contigo.

Mesmo que os bancos pequenos ofereçam taxas atrativas de retorno, mantenha os pés no chão e avalie bem os riscos inerentes à operação, diversificando se achar melhor.

📌 IMPOSTO DE RENDA E TAXAS

Não poderíamos deixar de citar o tão famoso imposto de renda, pois é um dos pontos-chave na vida de qualquer investidor e que precisa ser apurado direitinho.

No caso de títulos públicos, títulos privados e fundos de investimento referenciados em DI/Selic, a cobrança de IR segue a tabela regressiva, ou seja:

  • 22,5% para resgates até 180 dias;
  • 20% para resgates entre 181 dias e 360 dias;
  • 17,5% para resgates entre 361 e 720 dias;
  • 15% para resgates ocorridos depois de 720 dias.

Já no caso dos LCIs e LCAs, os investidores contam com a isenção de imposto de renda, porém há uma carência mínima de resgate de 90 dias.

Além disso, os títulos públicos são tarifados em 0,20% ao ano pela B3 (Tesouro Selic é isento desta taxa até o valor de R$ 10 mil por CPF).

Enquanto os fundos DI têm taxas administrativas que variam conforme as especificações do fundo.

QUAIS SÃO AS ALTERNATIVAS DE APLICAÇÕES FINANCEIRAS NO MERCADO?

A partir dos fatores mencionados nos tópicos anteriores, fica muito mais simples filtrar os investimentos que fazem mais sentido a sua jornada de poupar dinheiro.

Sendo assim, preparamos algumas dicas de classes de ativos de renda fixa que podem ser úteis em sua reserva de emergência e, ainda, ajudar na diversificação de carteira.

💰 TESOURO SELIC

Quando pensamos em reserva de emergência, a principal opções que deve ser considerada, sem dúvidas, é o Tesouro Selic.

Os títulos públicos acabam sendo os primeiros investimentos que as pessoas costumam conhecer.

Por emprestar o seu dinheiro para o governo, esse tipo de investimento é considerado como “risk free”, afinal, a possibilidade de tomar “calote” do país é bem pequena.

O Tesouro Selic é um investimento cuja taxa de retorno está atrelada à taxa básica de juros do país (Selic) + um percentual de rentabilidade anual definido.

E, por fim, cabe citar que o resgate dos títulos poderá ocorrer no mesmo dia da solicitação, com liquidez em D+0. Em diversas corretoras atualmente isso é possível, caso a solicitação ocorra até as 18h de um dia útil.

💰 FUNDOS DE RENDA FIXA

Os fundos de investimento também são uma excelente alternativa para você compor a sua reserva de emergência, principalmente aqueles referenciados em DI/Selic.

Esses tipos de aplicações contam com liquidez imediata e, normalmente, a taxa de administração costuma ser mais baixa do que os outros tipos de fundo.

Atualmente, há diversas opções que não cobram nenhuma taxa de administração, inclusive, sendo, também, ótimas alternativas além do Tesouro Selic em si.

Além disso, pensando em perfis conservadores, boa parte dos fundos DI apresentam riscos de baixo ou médio porte, o que proporciona maior segurança.

💰 CDBs

No caso dos Certificados de Depósito Bancário, você emprestará seu dinheiro para a instituição de sua escolha, a fim de cobrir os recursos dos serviços bancários.

Por mais que haja diversas opções de CDBs por aí, dê a preferência àqueles que pagam, pelo menos, 100% do CDI e sejam emitidos por grandes bancos.

Com esse tipo de título a liquidez é imediata (D+0), sendo relevante para seu fluxo de caixa financeiro pessoal, de modo que consiga honrar contas de curto prazo.

💰 LCI E LCA

Já as Letras de Crédito Imobiliário e do Agronegócio são alternativas interessantes, mesmo que a liquidez não seja tão alta assim como os CDBs e títulos públicos.

O ideal é buscar letras de crédito que disponham de uma carência de 90 dias pelo menos, servindo de complemento aos investimentos de altíssima liquidez.

Filtre por ativos que tenham percentuais de retorno acima de 90%.

Lembrando sempre que eles não exigem cobrança de IR, o que representa uma grande vantagem.

CONCLUSÃO

Como vimos, a modalidade de renda fixa traz inúmeras vantagens.

Permite, por exemplo, ampliar seus horizontes para diversificação de qualquer tipo de portfólio, e para qualquer perfil de investidor.

Abrangendo desde o mais conservador até o mais agressivo, a renda fixa jamais “morrerá”, independentemente de qualquer cenário político e monetário.

Inclusive, ainda pode abrigar oportunidades para agregar retornos e segurança a qualquer investidor.

RECEBA AS MELHORES RECOMENDAÇÕES DE TÍTULOS PÚBLICOS E RENDA FIXA

Conheça a nossa assinatura Carteiras Capitalizo e tenha acesso às melhores recomendações de diversos tipos de investimentos, incluindo a nossa Carteira Recomendada de Renda Fixa:

 

Bolsa em queda, o que eu vou fazer?

Capas Blog 3

”Temos que ser fiéis aos nossos planos. Não existem atalhos”.

A fantástica frase acima foi dita pelo maior jogador de basquete de todos os tempos, Michael Jordan. Ele sabia que o seu desempenho ia depender do quão bem preparado ele estivesse e que, nessa jornada, o trabalho seria pesado – por mais talentoso que ele fosse.

Para Jordan, treinar era a chance de se preparar. E estar preparado era fundamental para manter sua mente equilibrada na hora do jogo. Ainda assim, ele errou milhares de cestas e, nos momentos mais importantes dos jogos, ele não conseguiu fazer a cesta final.

E lá ia Jordan treinar, novamente, seguir o seu planejamento. Afinal, “não existem atalhos”.

Hoje vou trazer alguns pontos que considero importantes seguir em momentos de crise ou de queda nos mercados e que me ajudaram ter sucesso nos meus investimentos.

CRISES SÃO CONSTANTES

Eleições, crises econômicas, empresas quebrando, desemprego, inflação, juros altos, guerras, terremotos, doenças, tragédias.  O mundo sempre está “sempre” em crise e a bolsa reflete exatamente isso no curto prazo.

Hoje, por exemplo, vi ações da minha Carteira subindo 16%, enquanto outras caiam 11%. Por isso, não perco 1 minuto tentando encontrar uma lógica nisso.

Mas quando não foi assim?

Nesses momentos, eu imagino o Jordan me dando um “cutucão” e falando: “Esteja sempre preparado!”.

Mais dia, menos dia, mais crises virão. Eu sei que o mercado será muito duro comigo se eu não estiver preparado para elas. Isso é o que eu acredito ser importante.

MANTER O EQUILÍBRIO EMOCIONAL

Manter a racionalidade e não “panicar” é fundamental. Sempre existem oportunidades e uma forma de investir bem. Mas só consegue enxergar isso quem está com a “cabeça” no lugar.

Não perco o sono por causa do mercado, não fico frustrado, nem eufórico.

O que me deixa feliz e seguro é saber que eu sempre sei o que fazer e onde quero chegar. A racionalidade me mantém lúcido, o que me afasta de fazer “besteiras” e me aproxima de ganhar dinheiro.

MANTER O EQUILÍBRIO NOS MEUS INVESTIMENTOS

O que eu vi, em todos esses anos de mercado, foi que “fazer mais do mesmo”, ajustando pontualmente a minha Carteira ou Estratégia, é o melhor que eu posso fazer.

Pular de “galho em galho”, sem parar, ou buscar “fórmulas mágicas” são coisas que não passam pela minha cabeça. Eu sei que qualquer Estratégia tem seus momentos bons ou ruins. Me manter firme e com uma Carteira diversificada vão me ajudar a minimizar as perdas nos momentos ruins.

Eu tenho ações brasileiras, internacionais, exportadoras, de crescimento, de dividendos, small caps, blue chips… isso fez a Carteira Tiago Prux render, aproximadamente, 600%, desde 2017, contra pouco mais de 70% do Ibovespa.

Se eu consegui fazer isso, qualquer investidor também consegue. Basta querer.

FOCAR NO QUE IMPORTA

Cada um tem suas crenças, seu time de futebol preferido, o politico em quem confia ou jornal ou site onde vai se informar. Eu não sou diferente.

O que eu sei é que a maioria dessas preferências não serão nada úteis no meu objetivo de ganhar dinheiro no mercado. Pelo contrário, focar nas notícias e cotações de curtíssimo prazo vai mais atrapalhar do que ajudar.

O erro é investir focado no hoje ou no que vai acontecer daqui a 2 meses. O erro é deixar a nossa mente “cheia” de teorias ou ideias mirabolantes.

Tenho certeza que o Jordan não teria sido tão vencedor se levasse tudo que acontecia de ruim no curto prazo para a quadra. Como eu vou ser um investidor de sucesso de me deixar influenciar por tudo a minha volta?

Não estou dizendo política e economia não importam. Pelo contrario, importam e muito. Mas o trabalho para entender como me proteger desses efeitos negativos é sempre feito antes, através de um bom planejamento.

Dessa forma, consigo traçar cenários e me preparar para o que vier a frente.

Me planejar e me proteger são as minhas obstinações e o que tem me feito passar por todos os momentos turbulentos e quedas do mercado.

Essa é a forma que invisto e a forma que a Capitalizo trabalha. Se você também pensa assim, junte-se a nós.

Um abraço e ótimos investimentos!
Tiago Prux

CONHEÇA A CARTEIRA TIAGO PRUX

A Carteira Tiago Prux foi pensada e estruturada para você que segue a filosofia do Buy and Hold e que quer se tornar um investidor global.

Com essa estratégia, bastam 10 minutos por mês para você manter sua carteira 100% atualizada e “à prova” de crises.

Entenda a Estratégia da Carteira no vídeo abaixo:

6 Dicas para montar sua Carteira de Investimentos

shutterstock 305308904

Você já ouviu falar em carteira de investimentos? Trata-se de um conceito referente a todos os investimentos nos quais você aporta o seu dinheiro. A montagem dela depende, basicamente, do seu perfil de investidor e dos seus objetivos.

Uma carteira pode ser composta por investimentos diversos, tanto de renda fixa quanto de renda variável. Então, cada portfólio é único. Por isso, é fundamental que a sua carteira seja desenvolvida considerando, especificamente, as suas necessidades

Além disso, a carteira de investimentos não permanece a mesma para sempre. Ajustes podem – e devem – ser feitos ao longo do tempo. É comum, por exemplo, que nosso perfil de investidor mude com o passar dos anos, assim como as nossas necessidades e objetivos.

Então, que tal descobrir como montar uma carteira de investimentos sólida e adequada para você? Continue a leitura deste post e confira nossas 6 dicas para compor seu portfólio!

1. Determine o seu perfil de investidor

O primeiro passo para montar a sua carteira de investimentos é conhecer o seu perfil de investidor. Ele permite identificar a sua tolerância para assumir riscos. Assim, é possível definir uma margem de diversificação ideal para buscar por lucros satisfatórios com a segurança que você procura.

Os perfis são separados em:

  • Conservador: é o investidor que prioriza a liquidez e a segurança em seus investimentos, mesmo sabendo que pode ter baixa rentabilidade assim. É o perfil de quem não quer correr muitos riscos;
  • Moderado: é o meio-termo das categorias. É o investidor que gosta de ter segurança, mas também está disposto a arriscar um pouco mais em busca de melhores rentabilidades;
  • Arrojado: é o investidor que aceita arriscar mais na hora de investir. Ele sabe que a possibilidade de retornos maiores está relacionada aos riscos assumidos nos investimentos. 

É aconselhável que cada investidor busque alternativas para a carteira de acordo com o seu perfil. Assim, fica mais fácil alcançar os resultados que deseja em termos de rendimentos e/ou segurança.

2. Defina prazos e objetivos para os investimentos

Além de saber seu perfil, outro ponto importante é alinhar seus objetivos com os prazos dos investimentos. 

Aportar o dinheiro em um produto com data de vencimento em cinco anos provavelmente não é uma boa ideia se você deseja usar o valor para fazer uma viagem em poucos meses, certo?

Nesse caso, se o investimento não apresentar alta liquidez, será difícil retirar o valor aplicado com os rendimentos a tempo de cumprir sua meta. Assim, fazer um investimento com prazo próximo ao do seu objetivo é a decisão mais acertada.

Pensando nisso, vale a pena definir objetivos para curto, médio e longo prazo. Do contrário, será difícil tomar decisões adequadas na sua carteira de investimentos. Então, analise as características de cada opção e veja quais se adéquam melhor a determinados planos na sua vida.

3. Conheça as alternativas do mercado

Todo tipo de investimento funciona de uma maneira particular — e tem suas próprias características e riscos, que podem ser baixos, médios ou altos. Por isso, é fundamental estudar as possibilidades do mercado e analisar aquelas que estão mais alinhadas ao seu perfil antes de investir.

A escolha também deve ser baseada nas suas necessidades. Se você está montando uma reserva de emergência, por exemplo, é importante que os recursos sejam alocados em investimentos de renda fixa, pois são mais seguros e têm alta liquidez.

Afinal, você pode precisar do dinheiro a qualquer momento e ele deve estar disponível. Por outro lado, investimentos escolhidos para a aposentadoria, por exemplo, podem funcionar de maneira bem diferente, por se tratar de um objetivo de longo prazo.

4. Estabeleça estratégias de investimento

Após considerar o seu perfil, os objetivos, o prazo e as alternativas do mercado, fica mais fácil definir uma estratégia para os seus investimentos. Ela é utilizada para montar uma carteira eficiente e deve ser seguida ao longo do tempo.

Uma estratégia comum é combinar investimentos em ações, títulos de renda fixa, fundos e diversos outros ativos, por exemplo. Mas lembre-se de que, mesmo diversificando, é preciso sempre respeitar o seu perfil de investidor e traçar um caminho em direção às suas metas.

Também é importante definir o quanto será investido todos os meses. De modo geral, quanto maior o valor disponível para investir, mais condições você tem de impulsionar o capital. A definição deve ser feita com planejamento, pois pode fazer toda a diferença na hora da montagem da carteira. 

5. Diversifique os investimentos

Como você viu, a diversificação é uma estratégia comum — e benéfica para o investidor. Diversificar significa alocar o dinheiro em alternativas diferentes. É uma forma mais eficiente e menos arriscada de administrar o patrimônio disponível para investimento e buscar por melhores resultados.

Com ela, é possível mesclar na carteira uma variedade de ativos mais e menos líquidos, com diferentes tipos de rentabilidade e níveis de risco. Logo, o investidor evita se expor a apenas um ativo e consegue montar uma carteira que combina características vantajosas.

Ao investir em ações, por exemplo, é recomendável diversificar os papéis em diferentes setores da economia. Esse é um ponto fundamental para o sucesso dos seus investimentos. Se parecer difícil para você, pode ser interessante contar com o ajuda de profissionais do mercado.

Na hora de fazer escolhas diversificadas, tenha em mente que a decisão dos ativos deve ser feita de acordo com um bom planejamento. Então lembre-se das dicas anteriores para selecionar os investimentos mais adequados ao seu caso.

6. Conte com a recomendação de especialistas

Como você viu, investir envolve metas e sonhos pessoais. A melhor forma de atingi-los é por meio da conexão acertada entre perfil de investidor, propósitos, cenário econômico e possibilidades do mercado financeiro.  

Assim, você consegue encontrar o caminho mais estratégico e montar uma carteira de investimentos muito mais alinhada aos seus desejos e necessidades. Com o apoio dos especialistas, você poderá montar uma carteira de investimentos que respeite suas necessidades e lhe ajude a encontrar resultados positivos.

Agora, você já sabe os principais pontos que você precisa ter em mente ao montar sua carteira de investimento. Então, vamos ver na prática como isto funciona? Abaixo trazemos como exemplo um gráfico que mostra a rentabilidade de uma carteira de perfil agressivo/moderado em comparação ao CDI.

Em 2020, a Carteira apresentou um retorno de 21,48%, enquanto o CDI subiu 2,57%. Considerando desde agosto de 2017, o retorno da Carteira foi de 212,61%, enquanto o CDI apresentou retorno de 75,97%.

Considerando apenas os últimos 12 meses, o maior retorno mensal foi de 9,19%. Já o pior desempenho ocorreu no mês de março de 2020, com queda de 7,15%.

Esta carteira foi montada de acordo com as recomendações da Capitalizo para perfis agressivos/moderados. Pessoas que se encaixam nesta categoria estão mais aberta a correr riscos visando uma maior rentabilidade. Para este resultado, a diversificação e aplicação em carteira ficaria: 20% Ações Brasileiras, 20% Fundos Multimercados, 20% Renda Fixa, 20% Fundos Imobiliários e 20% Ações Internacionais.

Ficou mais fácil pensar na sua carteira de investimentos? Na Capitalizo, além de recomendações e análises completas para todos tipos de investimentos, também ajudamos nossos clientes a montar carteiras que se encaixem no seu perfil.

Ao adquirir Carteiras Capitalizo você encontra tudo que precisa para investir no longo prazo, seguindo as recomendações do nossos analistas! Ao comprar nosso produto, você terá acesso às carteiras de longo prazo para ações (brasileiras e internacionais) e as recomendações de fundos de investimentos e taxas de títulos públicos.

Nossos Resultados

Confira na imagem abaixo o desempenho das três carteiras presentes no nosso produto Carteiras Capitalizo (conservadora, moderada e agressiva) desde outubro de 2017, em comparação com o CDI. Lembrando que o produto agora também conta com a carteira recomendada de Criptoativos.

Já na imagem abaixo, segue a rentabilidade da nossa Carteira Recomendada de Fundos de Investimentos em Ações em comparação com o Ibovespa, o principal índice da bolsa de valores brasileira; e o Dow Jones, um dos principais indicadores do mercado de capitais norte-americano; desde outubro de 2017.

Lembre-se: sendo cliente Capitalizo, você também:

✅ Tem acesso total a nossa equipe de atendimento por e-mail, WhatsApp e Telegram
✅ Recebe materiais, e-books e relatórios exclusivos
✅ Pode solicitar uma análise de seus investimentos já existentes
✅ Assiste às mentorias fechadas para clientes e tira suas dúvidas direto com o Tiago Prux

___

Analistas Responsáveis

Danillo Sinigaglia Xavier Fratta, CNPI-T EM-1795
Daniel Karpouzas Barcellos, CNPI EM-1855
Roberto Martins de Castro Neto, CNPI EM-2423

___

Importante: leia nosso Disclosure antes de investir.

Quer ficar por dentro das novidades do mercado financeiro? Conheça o nosso Canal no Youtube e inscreva-se.

×